07 agosto, 2011

Identidade - Gustavo Paiva (Dunamis)

Descobrir quem realmente somos (e não somos), é empreitada para corajosos. Pode ser que você se assuste com o que verá diante do espelho quando sua própria máscara cair. Curiosamente, é também uma experiência libertadora. E por mais dolorosa, estranha e solitária que essa jornada possa ser, ninguém deveria se privar de empreede-la. Ainda estou encarando esse processo, tentando evitar as distrações e ludíbrios que minha alma me arranja - "nossa, o que você diante do espelho é tão ruim assim?". É estranho. Não me reconheço e tudo que me definia antes era somente uma "capinha elegante" para me apresentar ao mundo. Todos fazemos isso.  E continuaremos fazendo. Quando me resta algum momento de lucidez, percebo a realidade de quem eu sou e finalmente me lembro que o que importa é quem Ele é - em mim, nEle mesmo, no meu próximo. 

Durante esse processo conheci pessoas, li livros, fiquei em silêncio, escutei músicas, fiz barulho, levei bronca... Tudo, à sua própria maneira, fazendo parte do processo. E era (e é) muito bom perceber providências divinas devidamente endereçadas a mim, de uma forma muito real e pessoal, bem do jeito d'Ele mesmo. O vídeo abaixo é uma dessas providências. E como Deus pensa grande, pensa "família", talvez seja especial pra você também :)

 

"Existe um tempo que é o tempo em que Deus quer que você se aquiete, o tempo do silêncio. O tempo em que você não faz tanta coisa, mas Deus faz tanta coisa em você!... Curte o que Deus tá mexendo dentro de você. (...) Então quando Deus não tiver falando muita coisa, fica na tua! (...) Ninguém te reconhece, você não é reconhecido por ninguém, e isso é bom! Não é aplaudido por ninguém, não é vaiado por ninguém - você só está lá e Deus está mexendo em você. Não significa que você não tem um chamado, simplesmente é a hora em que Deus está mexendo e você está crescendo".


Tkanks, @Patty4Jesus pela dica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário